Grupo é informado que as senhas chegaram ao fim na Seleta. (Foto: Evelyn Thamaris)

Em tempos de novo surto de covid-19, uma parcela da população campo-grandense tem procurado pelos pontos de vacinação para se imunizarem principalmente com a segunda e terceira dose da vacina. Um dos locais mais viáveis para a região central daqueles que não dispõem de veículos, é a Seleta, o que tem rendido reclamações de quem procura o atendimento e não consegue se imunizar dentro do horário divulgado.

Durante os últimos dois dias, um grupo de pessoas relata terem ido até a unidade localizada na rua Dolor Ferreira de Andrade, no bairro São Francisco em horários distintos, dentro do informado nos canais da prefeitura e não conseguirem se vacinar, já que o local distribui senhas na abertura, limitando o atendimento.

Na tarde desta segunda-feira (10) era possível ver um pequeno fluxo de pessoas em frente ao local, com o portão fechado, onde eram informados de que as senhas disponíveis do dia já tinham sido todas distribuídas e que deviam procurar outro ponto de vacinação.

O questionamento maior, é de um senhor de 58 anos que preferiu não se identificar, que alega ter ido em dois dias seguidos, uma vez às 15 horas e em outro por volta das 14h e não ter conseguido a tão disputada senha. “Eu moro próximo, não possuo carro, nem tenho quem me leve até outro posto de vacinação. Só consigo vir nesta faixa de horário pois trabalho”, comenta chateado, o homem.

Gabriel Lima Ferreira, de 25 anos, publicitária, também não vê com bons olhos o modelo de atendimento, porém, ela frisa que a distribuição de senha não é o problema, e sim a falha na comunicação, já que em nenhum dos canais de divulgação é informado que o local opera neste modelo, se limitando apenas a colocar o horário de atendimento, sendo este das 12h até às 16h45.

“Se consta que o horário é de “tal hora, a tal hora”, o mínimo que espero é que chegando dentro do estipulado eu possa ser atendida.” diz a jovem que relata ter chego ao local por volta das 15h30 e que inclusive realizou uma reclamação na ouvidoria da SESAU (Secretaria Municipal de Saúde).

Outro casal que esteve no local, disseram ser um desperdício de tempo, já que procuraram informação quanto ao horário de atendimento antes de virem até o ponto de imunização. “Se tem doses, porque fazer isso?”, questiona o rapaz acompanhado da esposa em frente a Seleta.

Uma das servidoras da área da saúde que estava no portão e não revelou seu nome, disse que as senhas são distribuídas na abertura e são limitadas para que não aja sobrecarga no atendimento.

A assessoria de comunicação da SESAU foi procurada pelo Enfoque MS, e informou estar ciente do modelo de atendimento, alegando que a distribuição de senha é necessária para organizar o atendimento, considerando a capacidade operacional do local e que a ordenação serve para limitar o horário em que os vacinadores seguem trabalhando no interior do estabelecimento.

Confira o posicionamento abaixo:

A distribuição de senha é necessária para organizar o atendimento, considerando a capacidade operacional do local. A Seleta, por exemplo, funciona de 12h às 16h45.

O número e o período para distribuição das senhas vai depender da demanda. Se houver uma demanda muito grande, é necessário limitar este acesso para não extrapolar o horário de funcionamento. O encerramento na distribuição de senhas antes do horário, não significa que o atendimento foi interrompido.

Todos os pacientes ali presentes são acomodados na parte interna e a vacinação continua acontecendo. Geralmente ficam vacinando até 17h. Por inúmeras vezes, os servidores tiveram que continuar vacinando depois das 18h. Ou seja, quase 2h a mais do horário de expediente. Cabe ressaltar que o Município dispõe de mais de 40 locais de vacinação, inclusive com pontos funcionando aos sábados, domingos e feriados durante todo o dia.

Comentários