Após Primeira morte por H3N2 da Influeza A, confirmada hoje na Capital , a Sesau (Secretaria de Saúde de Campo Grande), divulgou a pouco, na tarde desta terça-feira (28), orientações sobre cuidados de prevenção ao subtipo H3N2 da gripe. A secretária ratificou ainda que tem registrado um número atípico de casos de Influenza no município neste mês de dezembro. Assim, o órgão chama a atenção para os cuidados necessários a fim de evitar a infecção, principalmente após a confirmação, hoje, do primeiro óbito pela doença neste ano. Contudo, o órgão afirma que não é causa de pânico e que não considera números altos a se chamar de surto ou epidemia.

Conforme a Sesau, todos os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) registrados em 2021, na Capital, provocados pela Influenza forma somente do subtipo H3N2, que é atípico. O mais comum, com maior ou maioria de casos e mortes é do H1N1. De acordo com o boletim da Sesau, emitido nesta terça-feira (28), até o momento foram confirmados 41 casos de pessoas infectadas pelo vírus da gripe Influenza.

A superintendente de vigilância em Saúde, Veruska Lahdo, ressalta que “Não podemos considerar isso um surto e, muito menos uma epidemia, levando-se em consideração a população de Campo Grande, mas é necessário tomar as medidas de prevenção, porque durante o mês de dezembro não se costuma registrar casos de Influenza”, explica

Veruska aponta que a época de maior movimento e ‘saída de casa’ é fator de contribuição para este novo dado. “Todos os casos positivos registrados no município são de pessoas que fizeram a coleta dos exames nos últimos 20 dias, de passeios, compras e festa, ou seja, apresentaram os sintomas no mês de dezembro. Só tivemos agora, a situação, que também é a´tipica pela época do ano. Assim como a Covid-19, a Influenza é uma infecção transmitida por vias respiratórias, então os cuidados e prevenção são os mesmos para as duas doenças“, ressaltou.

SAÍDAS e DESPREOCUPAÇÃO 

O secretário municipal de saúde, José Mauro Filho, no que se expressou lembrou também das saídas e a despreocupação com cuidados. “Nessa época a circulação de pessoas é muito maior por causa das compras, atrativos a e com as festas de fim de ano. E com as internações e óbitos por Covid-19 reduzidos, a população já se sentiu mais confortável para aliviar nas medidas de proteção”, avalia Filho.

A autoridade municipal pela Saúde da Cidade, lembra que se deve continuar e são as melhores armas contra a infecção, de qualquer tipo, o uso de máscaras, higiene de mãos e etiqueta respiratória, em geral, não só lembrar da Covid. E que aliada com as vacinas, covid e gripe, que estão disponíveis em todas as unidades de Saúde, a prevenção supera ou não deixará números maiores aparecerem.

DIAGNÓSTICO

A testagem de casos suspeitos é feita somente naqueles pacientes que estão internados ou com sintomas mais agravados, desta forma, a orientação é que, se a pessoa apresentar sintoma de gripe ou resfriado deverá manter todos os cuidados que já são praticados para evitar a transmissão da Covid-19. 

“Está com muita tosse, febre, dor de garganta ou outros sintomas da gripe associados, pode procurar uma unidade de saúde, por mais que o caso não seja SRAG o paciente será acolhido, atendido e medicado conforme a necessidade dele”, explica o secretário. 

Apesar do ‘susto’ atípico, números são menores que a dois anos

Conforme as informações do boletim, disponível aqui, o número de casos e óbitos pela doença ainda é significativamente menor que em 2019, antes da pandemia. E no ano passado o município registrou 35 casos confirmados e cinco pacientes evoluíram para o óbito. 

“Basta uma pessoa de fora contaminada entrar no país que o vírus passa a circular em uma época que não é comum a presença dele, e foi justamente o que aconteceu aqui. Dos três primeiros casos confirmados, dois eram de pessoas com histórico recente de viagem ao Rio de Janeiro, onde há surto do vírus”, lembra a superintendente. 

Comentários