28.8 C
Campo Grande
quarta-feira, 24 de julho, 2024
spot_img

Choque não sabia da participação de PMs no grupo flagrado com drogas; um foi preso e outro morto em confronto

A polícia continua procurando pelos dois integrantes da quadrilha flagrada transportando drogas em um caminhão basculante na última sexta-feira (21), em Campo Grande. Do grupo, composto por cinco pessoas, dois acabaram mortos em confronto e um terceiro foi preso no momento em que fugia.

A atualização do caso foi divulgada nessa segunda-feira (24), em coletiva de imprensa que contou com a participação do comandante geral da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul (PMMS), coronel Renato dos Anjos Garnes. A quantidade total de drogas apreendida não foi divulgada, pois o caminhão está sendo desmontando.

O motorista do caminhão basculante, onde o entorpecente estava, ainda não foi localizado. O comandante do Batalhão de Choque (BPMChoque), tenente-coronel Rigoberto Rocha da Silva, detalhou que ele pode ter sido sequestrado pela quadrilha rival que fez o roubo da carga, mas não é possível dizer se está em cativeiro ou se foi solto.

“O motorista do caminhão certamente tinha conhecimento do entorpecente que transportava, pois a quantidade era grande e estava muito bem escondida e distribuída entre os pneus e a lataria. Ele pode fazer parte da organização criminosa furtada pela rival, mas ainda não o encontramos para apurar os fatos”, disse.

Ainda conforme disse o comandante, a investigação começou há uma semana, a partir de uma informação da inteligência de que um grupo criminoso iria roubar uma carga de drogas no momento em que chegaria à Campo Grande vindo pela rodovia federal BR-262, no Indubrasil.

“Nós fizemos o monitoramento da movimentação e flagramos quando um veículo, modelo Toyota Corolla, deu vários sinais de luzes para que o motorista do caminhão parasse. Em seguida, o grupo retirou o motorista da cabine e colocou em um terceiro automóvel que se aproximou, enquanto o caminhão e o primeiro carro foram para uma chácara”.

Nessa chácara, outras pessoas já estavam aguardando pelo caminhão e um mecânico fez a abertura da lataria para retirar a droga que estava escondida. O local é de difícil acesso, no bairro Vila Romana, e teria sido emprestado pelo proprietário a um dos envolvidos no crime. A princípio, ele não tinha o conhecimento dos fatos.

Até agora, 90 quilos de maconha foram apreendidos. A droga estava em um compartimento oculto da lataria do caminhão e também dentro dos pneus de estepe e também de rodagem. Agora, a perícia está desmontando o veículo para tentar localizar mais drogas escondidas. O caminhão está legalizado e não há registro de furto/roubo.

Sobre o envolvimento de PMs na ocorrência

Choque não sabia da participação de PMs no grupo flagrado com drogas; um foi preso e outro morto em confronto
Armas apreendidas no local do confronto (Foto: Divulgação)

Quando Choque fez a investida contra o grupo criminoso, houve correria e confronto, sendo que dois faleceram e um terceiro acabou preso. Desses, um dos mortos e o preso são policiais militares. O caso também está sendo acompanhado pela Corregedoria da PMMS para que as medidas cabíveis sejam tomadas.

Sobre o assunto, o coronel Renato dos Anjos explicou que o Choque não tinha o conhecimento da participação de colegas de farda no grupo criminoso. “Isso só foi confirmado a partir da identificação deles”, contou. “Não sabemos qual é a função deles no grupo, quanto tempo estão nisso e nem se estão envolvidos em outros crimes”, completou.

O comandante da PMMS reforçou o trabalho realizado pela Corregedoria. “Nos últimos dois anos foram 60 policiais excluídos por desvio de conduta. Quando se identifica, o fato é devidamente apurado em inquérito interno e, tendo a culpa comprovada e a condenação, o policial tem a exclusão da corporação realizada”, contou.

Renato destacou que ficou surpreendido pelo envolvimento dos dois militares, especialmente porque um deles tem 25 anos de carreira, recebendo até mesmo honrarias pelo bom trabalho realizado. “Não queremos tirar a vida de ninguém, pois a vida é o dom de Deus, mas queremos que os nossos policiais voltem para casa e para seus entes”.

O caso

Conforme o boletim de ocorrência, o Choque foi informado sobre a chegada na Capital de um caminhão basculante carregado de drogas e que este seria roubado por uma quadrilha rival da proprietária do entorpecente. Dessa forma, as equipes montaram uma operação na rodovia federal BR-262, na divisa do bairro Indubrasil com a cidade de Terenos.

Durante a tarde, foi visto o caminhão suspeito, de cor azul, que era acompanhado de muito perto por um veículo, modelo Toyota Corolla. Logo em seguida, na Rua Barra dos Bugres, o motorista do caminhão recebeu uma ordem para parar e foi colocado em um terceiro veículo. Outro homem tomou a direção e seguiu a viagem.

Os dois (caminhão e Corolla) foram até uma chácara situada na Rua Cláudio Augusto, no bairro Vila Romana, onde estacionaram. Ao todo, cinco pessoas passaram a cortar a lataria do caminhão para retirar a droga. Foi nesse momento que os policiais do Choque invadiram o espaço e houve o confronto.

Confronto que matou dois e prendeu PM começou com informação sobre roubo de droga
Droga apreendida (Foto: Divulgação)

Dois homens chegaram a atirar contra os militares, que revidaram, acertaram ambos e ainda realizaram os primeiros-socorros, levando-os até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Santa Mônica, onde não resistiram e faleceram logo em seguida. Entre esses está um cabo da PM. Além disso, foram apreendidas duas armas de fogo.

Outro integrante do grupo, que também é policial militar, foi preso enquanto tentava fugir a pé pela rodovia. Segundo a investigação, ele seria dono do veículo usado como batedor da carga de drogas. Os demais conseguiram fugir, entre esses está o dono da chácara usada como esconderijo e o motorista do caminhão.

A PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) disse que o policial preso será encaminhado ao Presídio Militar Estadual, onde todos os procedimentos legais serão tomados. Os policiais apreenderam 117 tabletes de maconha, que estavam escondidos em um compartimento oculto do caminhão e também dentro do pneu de estepe.

Fale com a Redação