23/04/2020 08h38
Por: Redação

Decisão tomada pelo Banco do Brasil com articulação da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), prorroga por até 12 meses o pagamento das prestações referentes aos contratos de financiamento do FCO, Pronaf, dentre outras linhas de crédito rural oferecidas pelo banco, para agricultores familiares, pequenos e médios produtores rurais de Mato Grosso do Sul impactados pelo Covid-19.

A informação foi dada pelo banco na semana passada, em videoconferência com o secretário Jaime Verruck, o superintendente Rogério Beretta e equipe Semagro. “Estamos trabalhando com medidas para reduzir os danos causados pela baixa da economia nos negócios e essa ação vem para ajudar, comenta o secretário Jaime Verruck. Ele reforça que tem atuado “no âmbito do Comitê de Gestão para Monitoramento das Ações da Pasta, para auxiliar produtores e empresários neste momento de instabilidade econômica”.

Agricultores familiares, pequenos e médios produtores também podem entrar em contato com os escritórios da Agraer (Agência Estadual de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) para tirar dúvidas e receber orientações sobre as medidas do Banco do Brasil. “Fizemos um capacitação com os técnicos da Agraer. Os produtores podem procurar a unidade da Agraer no município onde está localizada sua propriedade e ela se incumbirá de auxiliar no contato com a instituição financeira. Lembrando que, no momento o atendimento do Banco do Brasil está sendo feito todo online”, finalizou o secretário.

De acordo com o Banco do Brasil, devido aos efeitos econômicos causados pela pandemia de coronavírus, a instituição decidiu por adequar o cronograma de pagamentos à realidade dos contratantes, que pode estar sendo afetado pela perda de safras, dificuldade de comercialização ou situações que prejudiquem o andamento da produção.

Dessa forma, hortifrutigranjeiros e produtores de flores, por exemplo, poderão prorrogar o pagamento por até 180 dias após o vencimento final, em caso de custeio, ou acrescentar um ano no fim do contrato quando o crédito for de investimento ou custeio prorrogado.

Já os produtores de bovinocultura de corte, de leite e mista poderão pagar apenas 30% do financiamento de custeio e prorrogar por dois anos o contrato ou um ano quando se tratar de investimento. Conforme o banco, a prorrogação é efetuada com os encargos de normalidade pactuados.

Com prorrogação, agricultura familiar ganha fôlego para pagamento do financiamento do crédito rural

Com prorrogação, agricultura familiar ganha fôlego para pagamento do financiamento do crédito rural

Comentários