(Foto: Renata Volpe Haddad / Correio do Estado)

O procurador de Justiça, Sérgio Harfouche (Avante), vem somando revés, mas não abre mão e aponta manter a candidatura a senador apesar do rompimento com o Podemos e o União Brasil, que seriam grandes parceiros e legendas de campanha. Agora, ele ainda vai também contra seu partido nacional, continuando seu apoio a reeleição de Jair Bolsonaro (PL) ante que Avante nacional, ontem oficializou opção a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em parceria já no primeiro turno.

Seria até muito contraditório, pois o procurador sempre combateu Lula e o PT, mesmo diante de evidências de Fakes News reveladas “Não. Nunca. Já tinha acordo com a Nacional do Avante, que no MS o Avante vai apoiar Bolsonaro”, reagiu Harfouche, sobre a possibilidade de subir no palanque de Lula em Mato Grosso do Sul.

Assim, Harfouche vai agora enfrentar os ex-aliados, Podemos e o União Brasil, que o abandonaram e optaram por lançar o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e, também vai continuar apoiando a Bolsonaro, embora o seu partido tenha aderido à candidatura de Lula. Nesta quinta-feira (4), em Brasília, o deputado federal André Janones (Avante), que era candidato a presidente pela sigla, anunciou que desistiu de disputar a presidência da República para apoiar Lula já no primeiro turno.

Janones, que fez transmissões ao vivo de reunião com o petista, e teve também repercussão na mídia nacional, explicou que o PT assumiu o compromisso de manter o valor de R$ 600 do Auxílio Brasil. Substituto do Bolsa Família, o programa social de Bolsonaro estava pagando R$ 400 até o mês passado. De olho na eleição, o presidente elevou o valor para R$ 600. No entanto, o Governo cogita voltar ao valor de R$ 400 em janeiro de 2023.

Agora, o partido estadual, ainda não decidiu quem apoiar para o Governo. A convenção do Avante acontece hoje, a partir das 13h na AME (Associação dos Militares Estaduais de Mato Grosso do Sul).

Harfouche golpeado duas vezes

Harfouche vinha fazendo até já campanha com a candidatura de Rose Modesto, a governadora pelo União Brasil, mas foi rifado pela qual seria a coligação entre ambos.

Além de ficar sem o apoio do União Brasil e do Podemos, Harfouche perdeu o primeiro suplente, o produtor rural e presidente da instituição filantrópica Com Cristo no Cerrado, Alberto Schlatter (Podemos). De acordo com o presidente regional do Avante, Lúcio Soares, o partido ainda está definindo o nome do substituto.

O segundo suplente seria o pastor Jackson Luzivoto. Desde a semana passada, O Jacaré vem procurando o candidato e a direção do Avante para saber como ficou a chapa no Senado, mas eles não se manifestaram para dar mais detalhes.

Outros candidatos ao Senado

Harfouche vai disputar a vaga de senador com a ex-ministra da Agricultura, Tereza Cristina (PP), do Centrão, o professor universitário e advogado Tiago Botelho (PT), o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PSD), o empresário Jeferson Bezerra (Agir) e o empresário Anizio Tocchio (PSOL).

Comentários