Divulgação

Consideradas serviços essenciais durante a pandemia da covid-19, as igrejas podem funcionar com limitações e medidas de biossegurança em Mato Grosso do Sul. Mesmo assim, os presidentes dos Conselhos Estadual e Municipal de Pastores procuraram o Ministério Público Estadual nesta quinta-feira (14), para manter as igrejas evangélicas abertas mesmo diante do aumento de casos de pessoas contaminadas pelo vírus.

O presidente do Conselho Estadual, Wilton Acosta, reafirma que o papel da igreja é fundamental para acolher as pessoas neste momento de crise e medo que atinge toda a sociedade.

“Viemos reforçar a importância do diálogo da igreja com o Ministério Público e dizer que somos solidários e trabalhamos para garantir a segurança da população que vai à igreja em busca do fortalecimento espiritual”, disse o pastor.

O procurador-geral de Justiça, Alexandro Magno por sua vez garante que o Ministério Público trabalha “para garantir a liberdade religiosa à luz da Constituição Federal e é solidário à necessidade de o cidadão buscar o fortalecimento espiritual para enfrentar este momento tão difícil que afeta a vida de todos”, ponderou.

Na semana passada os pastores também se reuniram com o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), e o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) sobre os decretos para conter a covid-19.

Vale lembrar, que atualmente o Estado está sob toque de recolher das 22h até às 5h do dia seguinte. Por isso, os cultos devem começar e terminar mais cedo.

Nesta quinta-feira (14), foram registrados 1.106 novos exames positivos para o novo coronavírus (Covid-19), no Estado o total de casos chega a 147.249. Além disso, foram registrados 16 mortes, passando para 2.625 óbitos pela doença em Mato Grosso do Sul.

Comentários