21.8 C
Campo Grande
terça-feira, 23 de abril, 2024
spot_img

Pelo 15º mês consecutivo, salário médio do brasileiro sobe acima da inflação

Reajuste médio não engatava sequência de altas reais seguidas desde julho de 2018, segundo dados do boletim Salariômetro

O salário médio do trabalhador brasileiro aumentou 1,2% em fevereiro, marcando o 15º mês consecutivo com alta real positiva, o que não ocorria desde julho de 2018. Os dados são do boletim Salariômetro, da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), divulgado nesta quarta-feira (27).

O piso salarial mediano foi de R$ 1.488 em fevereiro, 5,38% acima do salário mínimo (R$1.412). No acumulado dos últimos 12 meses, o valor foi de R$ 1.593.

De acordo com o boletim, 92,1% dos reajustes foram acima do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). No acumulado dos últimos 12 meses, o índice foi de 80,6%.

Categorias em destaque

Confira as categorias que tiveram aumento real mais expressivo, acima da inflação, em fevereiro:
• construção civil, com reajuste de 3,2%.
• agropecuária e serviços (ambos com 2,2%); e
• comércio e indústria (ambos com 1,3%).

A prévia de março, segundo a Fipe, mostra que 94,4% dos reajustes estão acima do INPC, com reajuste mediano salarial de 5,5%.

Reajuste por região e unidades da federação

O levantamento mostra que a região com maior aumento acima da inflação foi o Sudeste, com ganho mediano de 3,18% nos salários. No Sul, que teve menos reajuste, a mediana ficou em 1,2%.

Em um mapeamento por estado, Roraima teve o maior reajuste mediano: 3,8%. Na lanterna, está a Bahia, com aumento salarial médio de 0,8%.

A pesquisa da Fipe é baseada em informações do mediador do Ministério do Trabalho e Emprego, a partir dos resultados das negociações coletivas.

O que é convenção coletiva

A convenção coletiva, prevista na legislação brasileira, é uma negociação entre sindicatos de trabalhadores e representantes dos setores produtivos que estabelece normas para salários, horas-extras e condições de trabalho de categorias profissionais.

Firmadas para complementar a lei trabalhista, as diretrizes são fruto de diálogo entre empregados e patrões.

Fonte: R7

Fale com a Redação