Deputado Barbosinha reunido com o então secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel (foto: Assessoria)

A convenção do PSDB, que também ocorreu nesta sexta-feira (5), último dia de prazo para oficializar a candidatura de Eduardo Ridel, postulante a suceder e continuar o governo tucano no Parque dos Poderes, de certa forma surpreendeu na tõ esperada indicação de companheiro de chapa, a ser candidato a vice-governador. O deputado estadual Barbosinha (PP) foi oficializado como vice na chapa psedebista ao Governo do Estado nas eleições de 2022. O PP, partido presidido em Mato Grosso do Sul pela ex-ministra Tereza Cristina, garantiu a indicação do vice na chapa e a sua campanha ao Senado com a Progressista em candidatura única.

O anúncio do vice foi feito pelo governador Reinaldo Azambuja, que voltou recentemente a ser presidente estadual do PSDB. Os tucanos cederam quase toda chapa aos Progressista, onde até mais cedo, Tereza anunciou durante a convenção do seu partido, que o PP faria a indicação a Riedel, com quem fechou coligação nas eleições deste ano.

Após, os anúncios, Riedel, chegou à convenção do PSDB, ao lado de Barbosinha e Tereza Cristina, seguindo Reinaldo ao fazer o anúncio, que confirmou que Barbosinha é uma ótima escolha.

Na convenção, Barbosinha e Ridel assim se manifestaram em elogios. O agora vice, então revelou ter sido chamado nesta manhã para compor a chapa. “Soldado não foge à luta. Estou animado e confiante. Atendo a região da grande Dourados, segundo maior colégio eleitoral do Estado”, disse. E Ridel completou “Cumpre todas as expectativas. Estou confiante para ser governador ao lado dele”, disse.

Barbosinha

Natural de São Simão (GO), ele tem 58 anos e se mudou para Angélica, ainda criança. Formado em Direito, foi prefeito do município sul-mato-grossense entre 1989 e 1992, presidiu a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) em 2007, e foi eleito deputado estadual em 2014.

Em 2016, foi secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, na gestão Azambuja, e em 2018, voltou à Casa de Leis. “Vai ser um vice atuante, que fará defesa de políticas públicas, em benefício de Mato Grosso do Sul, pela qualidade de gestão e experiência administrativa que, com certeza, ele trará para ajudar o Eduardo [Riedel]”, disse o governador Azambuja.

Barbosinha era recentemente filiado ao DEM, atual União Brasil, mas a algum tempo já tinha adiantado que seguiria Tereza – que também era do UB – nas eleições deste ano. Ambos saíram da então legenda e seguiram ao PP, que apoia o presidente Jari Bolsonaro, Tereza desde sempre também anunciava que somente seguiria Bolsonaro ao partido que ele se filiasse até então sem legenda desde 2019.

Contudo, Bolsonaro preferiu ir ao PL e Tereza scolheu o PP, que também ficou com a candidatura a reeleição do presidente,

Porém, Barbosinha postergou mais, pois uma possível rixa com o prefeito de Dourados, Alan Guedes, que é filiado ao PP, poderia impedir a ida de Barbosinha ao partido. O deputado foi candidato a prefeito de Dourados em 2020 e perdeu para Guedes. Na Alems (Assembleia Legislativa de MS), o parlamentar faz críticas à gestão do prefeito.

Mas, o deputado afirmava que a única pessoa com condição de barrar sua filiação, era a ministra. “Meu vínculo é com a Tereza, tenho história política com a ministra, quem pode me barrar é ela”, disse, à época.

Riedel afirma que ele foi escolhido em meio a “excelentes quadros”, de diferentes partidos que compõem a aliança regional.

Comentários