Foto: WhatsApp Enfoque MS

O então sequestro com duas reféns passando por medo de tiros disparados e PMs disfarçado, mas por fim com bandidos presos no começo da noite desta segunda-feira (18), no bairro Coopharádio, era para ter sido um “assaltinho”, roubo simples a residência. Mas, a ação virou assalto com reféns ou sequestro por ter havido ameaça em cárcere privado, após bandidos verem polícia chegar na rua. Ainda, não houve divulgação de identificação dos presos e nem das vitimas, além da localização da ação no bairro de classe social mediana na região sul de Campo Grande.

A PM-MS (Polícia Militar de MS) foi acionada para uma invasão de domicílio e, ao chegar no local, a ocorrência transformou-se em tentativa de roubo e cárcere privado. Os autores, então, decidiram prender as vítimas na casa, fazendo-as de refém. Assim, os bandidos mantiveram as duas vítimas reféns, de 51 e 80 anos, no interior da casa, mas não teriam intenção de fazer violência física e seria para se ‘protegerem’ da policia. Por fim, o ‘sequestro’ contou com quatro pessoas presas: duas no cárcere, as vitimas, e após os dois bandidos, que foram presos pelos crimes.

Assim, o roubo à residência no Bairro Coopharádio, iniciado passando do meio da tarde de hoje, por volta das 16h30, evoluiu a fazer reféns, pois os assaltantes avistarem policiais militares. “Os bandidos não feriram as vítimas e a violência sofrida foi psicológica, bem como não planejaram o tipo de ação”, revelou o subcomandante do Bope (Batalhão de Operações Especiais), capitão Ronaldo Moreira de Araújo, acompanhado do supervisor operacional da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul), tenente Marcos do Nascimento Silva.

“Os autores até ainda realizaram um disparo de arma de fogo contra a parede da casa, mas sendo ‘pela pressão do momento’. Eles também falavam que não iam machucar, ferir, matar as duas mulheres, e exigiam a presença da imprensa para garantia da integridade física deles”, declarou subcomandante do Bope.

A investigar

Não foi confirmado, contudo, se os dois conheciam as vítimas ou sabiam da rotina da residência. O revólver utilizado pela dupla, aparentemente calibre 38, foi apreendido. O caso será investigado pela Polícia Civil. 

Comentários