29.8 C
Campo Grande
sexta-feira, 23 de fevereiro, 2024
spot_img

Oito Investigados pelo MPE prestam depoimento hoje após dois dias presos pela Operação Turn Off

A sexta-feira, 1º de dezembro, abre o mês, e após dois dias presos pela Operação Turn Off, acontece os depoimentos dos oito investigados, empresários e então servidores ‘graduados’ do Estado, que são principais apontados, pelo MPE-MS (Ministério Público de MS), por esquema de corrupção no governo estadual, que teria iniciado na gestão passada. Todos foram detidos na quarta-feira (29) e os servidores públicos comissionados exonerados da gestão estadual nesta quinta-feira (30).

Veja abaixo, todas as matérias Enfoque MS, que vem acompanhando a situação e repercussão do caso que tem acusação de desvio de dinheiro público no montante, de no mínimo R$ 68 milhões. Os oito foram detidos pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e pelo Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), ue comanda as investigações pelo MPE-MS.

A programação da Operação Turn Off hoje, é para que todos prestem depoimento nesta sexta-feira, no Ministério Público. Serão interrogados o agora ex-adjunto da Secretaria de Educação, Édio Castro; os também ex-servidores Simone de Oliveira Ramirez Castro, Thiago Mishima, Andrea Cristina Souza Lima; Victor Leite de Andrade; Paulo Henrique Muleta Andrade, da APAE, e, os empresários e irmãos Sergio Duarte Coutinho Junior e Lucas Coutinho.

Ontem, foram ouvidos 12 testemunhas, totalizando 20 ouvidos, com os oito detidos. Segundo a investigação, os oito presos tiveram participação ativa em um esquema de corrupção investigado na Operação Turn Off. Os irmãos Coutinho teriam chefiado uma organização criminosa voltada à prática de fraude à licitação, peculato, corrupção e correlatos.

A operação e acusações

No total, foram cumpridos oito mandados de prisão preventiva e 35 mandados de busca e apreensão nos municípios de Campo Grande, Maracaju, Itaporã, Rochedo e Corguinho.

A investigação, conduzida pelo GECOC, constatou a existência de organização criminosa voltada à prática dos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, fraude em licitações/contratos públicos e lavagem de dinheiro.

“Em resumo, a organização criminosa atua fraudando licitações públicas que possuem como objeto a aquisição de bens e serviços em geral, destacando-se a aquisição de aparelhos de ar-condicionado pela Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul (SED/MS), a locação de equipamentos médicos hospitalares e elaboração de laudos pela Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul (SES/MS), a aquisição de materiais e produtos hospitalares para pacientes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Campo Grande, dentre outros, havendo, nesse contexto, o pagamento de vantagens financeiras indevidas (propina) a vários agentes públicos”, divulgou o MPE.

Segundo Ministério Público, os contratos já identificados e objetos da investigação ultrapassam 68 milhões de reais. Durante os trabalhos, o GECOC valeu-se de provas obtidas na Operação Parasita, deflagrada no dia 7/12/2022, que reforçaram a maneira de agir da organização criminosa.

Matérias anteriores

Servidores ‘graduados’ são exonerados do Governo do Estado após Operação Turn Off do Ministério Público de MS

MPE colhe depoimentos de 20 envolvidos na Operação Turn Off nos próximos dois dias

MPE fala sobre Operação contra servidores do Estado e empresários que pode envolver R$ 68 milhões

Governo emite nota com posição de afastar servidores envolvidos em operação MPE

Ex-secretário de Saúde também está entre alvos de operação do MPE

Adjunto da Secretaria de Educação está entre os detidos em operação do MPE .

Operação do MPE na Capital está em ação contra empresários e servidores estaduais de MS

Fale com a Redação