20.8 C
Campo Grande
terça-feira, 16 de julho, 2024
spot_img

Turn Off: CG tem novas prisões em 2ª fase da operação que derrubou adjuntos do govMS

O MPE-MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), por meio do Grupo Especial de Combate à Corrupção (GECOC) e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO), deflagrou nesta quinta-feira (6), a 2ª fase da Operação Turn Off. O desdobramento das investigações, conduzidas pelas Promotorias de Justiça com o apoio do GECOC, identificou a continuidade da prática de crimes.

Veja abaixo, todo histórico sobre apontados crimes que envolveram então servidores em cargos de confiança do governo do Estado. Hoje, pela 2ª Turn Off, foram  cumpridos dois mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão em Campo Grande. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados até o momento.

“Por fatos anteriores, os alvos das prisões preventivas são réus e foram denunciados por fraudes e desvio de dinheiro em diversas compras públicas.São réus, desde 2022, pelo desvio de dinheiro público na compra de uniformes escolares pela Secretaria de Estado de Educação, no valor de R$ 5.610.000,00. Em 2023, pelo desvio de dinheiro público na compra de produtos médico-hospitalares pelo Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, no valor de R$ 6.523.977,94, e neste ano de 2024, por organização criminosa, corrupção ativa e desvio de dinheiro público na compra de aparelhos de ar-condicionado pela Secretaria de Estado de Educação, no valor de R$ 13.000.548,00”, diz a nota do MPE.

Segundo o Gaeco, em 2024, os envolvidos foram denunciados por fraudes e corrupção em procedimentos de compra de materiais de ostomia para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Campo Grande, em Convênio firmado com a Secretaria de Estado de Saúde, no valor de R$ 22.996.305,73.

Mais três crimes

Além disso, foram denunciados por fraudes, corrupção e desvio de dinheiro público na contratação de empresa pela Secretaria de Estado de Saúde, para emissão de laudos médicos, no valor de R$ 12.330.625,08.

“Em relação a estes fatos recentes, foi desenvolvida a 1ª fase da operação, em 29/11/2023, a qual originou as ações penais ajuizadas em 2024. Naquele momento, os mesmos alvos foram presos preventivamente. Pouco depois, a prisão preventiva foi substituída por medidas cautelares, com vistas, inclusive, a inibir novas práticas delitivas. Entretanto, em total afronta e reiteração criminosa, continuaram a praticar novos crimes, principalmente o de lavagem de dinheiro, sendo identificada a atual ocultação de bens obtidos ilicitamente em valores que ultrapassam 10 milhões de reais, revelando a necessidade das medidas desta 2ª fase da Operação Turn Off”, conclui o MPE.

Primeira faseMatérias anteriores

Na primeira fase da operação, em novembro do ano passado, oito pessoas foram presas. Entre eles, Édio Castro, adjunto da Secretaria de Educação; Thiago Mishima, Andrea Cristina Souza Lima; Victor Leite de Andrade; Paulo Henrique Muleta Andrade; Simone Ramirez, Sergio Duarte Coutinho Junior, Lucas Coutinho.

O então secretário adjunto na Casa Civil, Flávio Brito, foi exonerado do cargo após a operação.

Oito Investigados pelo MPE prestam depoimento hoje após dois dias presos pela Operação Turn Off

Servidores ‘graduados’ são exonerados do Governo do Estado após Operação Turn Off do Ministério Público de MS

MPE colhe depoimentos de 20 envolvidos na Operação Turn Off nos próximos dois dias

MPE fala sobre Operação contra servidores do Estado e empresários que pode envolver R$ 68 milhões

Governo emite nota com posição de afastar servidores envolvidos em operação MPE

Ex-secretário de Saúde também está entre alvos de operação do MPE

Adjunto da Secretaria de Educação está entre os detidos em operação do MPE .

Operação do MPE na Capital está em ação contra empresários e servidores estaduais de MS

Fale com a Redação